top of page
  • ABP

ABP TV especial Setembro Amarelo®: como as pessoas podem ajudar?


Em 2019, a Organização Mundial da Saúde - OMS publicou os dados mais recentes sobre suicídio em todo o mundo em seu relatório “Suicide Worldwide in 2019”, revelando que mais de 1 milhão de pessoas morreram por suicídio, o que representa uma a cada 100 mortes. No Brasil, o cenário também é preocupante: são mais de 14 mil casos por ano, de acordo com o Ministério da Saúde.


No entanto, praticamente todas as pessoas que morreram por suicídio eram padecentes de algum transtorno mental, sendo assim a maioria dos casos poderia ter sido evitada se elas recebessem atendimento psiquiátrico. Além disso, pesquisas apontam que pessoas com ideação suicida dão sinais e, por isso, é fundamental que todos consigam identificá-los e ajudar, caso seja necessário.


Na próxima terça-feira, 13 de setembro, o ABP TV promove o programa especial "Setembro Amarelo®: como as pessoas podem ajudar?", que vai dar orientações de como as pessoas devem agir frente ao risco de suicídio. Participam os médicos psiquiatras:


  • Dr. Claudio Meneghello Martins: médico psiquiatra, vice-presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP e presidente da Associação Psiquiátrica Cyro Martins - CCYM.

  • Dra. Miriam Gorender: professora associada da Universidade Federal da Bahia, Diretora secretária adjunta da ABP.

  • Dra. Sandra Peu: associada efetiva da ABP, vice-presidente da Associação em Defesa das Pessoas com Transtornos Mentais, Amigos e Familiares – AFATOM. Ex-diretora de Articulações e Projetos Estratégicos da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania


O programa ABPTV é transmitido pelo Facebook da ABP, Canal ABPTV no Youtube, pelo Instagram da ABP (@abpbrasil) ou pelo site da Associação. Participe você também enviando suas perguntas pelos espaços de comentários das transmissões ou pelo Linha Direta no site da ABP, clicando aqui.


Posts recentes

Ver tudo

As escolas são ambientes de aprendizagem e desenvolvimento social para os adolescentes, um local que deve ser reconhecido como seguro. Porém, infelizmente, muitos adolescentes vivenciam práticas de co

bottom of page