top of page
  • ABP

ABP TV especial Outubro Rosa


Segundo o Instituto Nacional de Câncer - INCA, o câncer de mama é o mais comum e o mais mortal entre as mulheres. No ano passado, 29,7% dos óbitos decorreram da doença e a entidade estima que, entre 2020 e 2022, sejam diagnosticados mais de 66 mil casos para cada ano.

Além de atingir diretamente a saúde física da mulher, o diagnóstico do tumor nas mamas pode impactar a saúde mental. Por isso, este ano, a Associação Brasileira de Psiquiatria se une à Campanha Outubro Rosa e promove o próximo ABP TV, que vai ao ar na terça-feira (19/10), às 20h30, com o tema “a oncopsiquiatria e câncer de mama”.


A agressividade dos métodos de tratamento, o constante medo e a incerteza da recuperação podem desencadear sintomas de ansiedade e depressão. Entender como o câncer de mama afeta a saúde mental e cuidar desses impactos negativos são atitudes primordiais para lutar contra a doença.


Conheça nossos convidados:

  • Dra. Christiane Ribeiro: médica psiquiatra, membro da Comissão de Estudos e Pesquisa da Saúde Mental da Mulher da ABP e Mestre em Medicina Molecular pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

  • Dr. Joel Rennó: médico psiquiatra, Coordenador da Comissão de Estudos e Pesquisa da Saúde Mental da Mulher da ABP e Professor Colaborador Médico do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

  • Dra. Maila de Castro: médica psiquiatra, membro da Comissão de Estudos e Pesquisa da Saúde Mental da Mulher da ABP e doutora em Medicina Molecular pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.


O programa ABPTV é transmitido ao vivo pelo Facebook da ABP, Canal ABPTV no Youtube, pelo Instagram da ABP (@abpbrasil) ou pelo site da Associação. Participe você também enviando suas perguntas pelos espaços de comentários das transmissões ou pelo Linha Direta no site da ABP, clicando aqui.


Não perca!



Posts recentes

Ver tudo

As escolas são ambientes de aprendizagem e desenvolvimento social para os adolescentes, um local que deve ser reconhecido como seguro. Porém, infelizmente, muitos adolescentes vivenciam práticas de co

bottom of page