top of page
  • ABP

ABP TV debate tratamentos psiquiátricos para pacientes de cirurgia bariátrica


A cirurgia bariátrica, também conhecida como cirurgia de redução de estômago, é uma das soluções para casos de obesidade mórbida, ou seja, quando o Índice de Massa Corporal - IMC do indivíduo é maior do que 35. O principal benefício da cirurgia é a perda e a manutenção do peso em longo prazo. No entanto, nem todas as pessoas com obesidade mórbida são elegíveis para realizar o procedimento: a avaliação psiquiátrica é obrigatória e fundamental para o sucesso da operação.


Isso acontece porque diversas comorbidades psiquiátricas podem acompanhar a obesidade mórbida. Quais são as mais comuns? Quais são os tratamentos indicados? Como o psiquiatra deve atuar com esses pacientes? Essas e outras perguntas serão respondidas no ABP TV "Além da cirurgia: tratamentos psiquiátricos para pacientes de bariátrica".


O programa será ao vivo na próxima terça-feira, dia 29 de março, às 20h30, com a participação dos médicos psiquiatras:


  • Dr. Adriano Segal - Médico Psiquiatra, Membro da Comissão de Transtornos Alimentares da ABP, Membro da Comissão de Psiquiatria e Transtornos Alimentares da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica), Coordenador de Psiquiatria do COD-HAOC (Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz).

  • Dr. José Carlos Appolinário - Médico Psiquiatra, Coordenador da Comissão de Transtornos Alimentares da ABP, Coordenador do Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares (GOTA) do IPUB/UFRJ, Professor do Programa de Pós-Graduação em Psiquiatria e Saúde Mental do IPUB/UFRJ.


O ABP TV é ao vivo às 20h30 e é transmitido pelo Facebook da ABP, Canal ABPTV no Youtube, pelo Instagram da ABP (@abpbrasil) ou pelo site da Associação. Participe você também enviando suas perguntas pelos espaços de comentários das transmissões ou pelo Linha Direta no site da ABP, clicando aqui.



Posts recentes

Ver tudo

As escolas são ambientes de aprendizagem e desenvolvimento social para os adolescentes, um local que deve ser reconhecido como seguro. Porém, infelizmente, muitos adolescentes vivenciam práticas de co

bottom of page