ABP TV: “O que as neurociências podem fazer pela psiquiatria?”

Na próxima segunda-feira, 26 de fevereiro, o programa ABP TV discute o papel da neurociência junto à psiquiatria. A partir das 21 horas, com transmissão ao vivo pelo site da ABP e perfil da Associação nas mídias sociais, os doutores Marcelo Allevato e Marcos Alexandre Gebara debaterão o tema “O que as neurociências podem fazer pela psiquiatria?”

A neurociência é a responsável pelo estudo do sistema nervoso central, abrangendo suas estruturas, funções, mecanismos moleculares, aspectos fisiológicos e compreender doenças do sistema nervoso. Aliada à psiquiatria, pode contribuir com melhor diagnóstico e, consequentemente, construção do plano terapêutico para doenças como demência, transtorno bipolar, esquizofrenia, entre outros.

No próximo programa ABP TV, aprenda ainda mais com a expertise dos pesquisadores convidados sobre a aplicação dos estudos neurocientíficos na atuação do psiquiatra. Os participantes compartilharão suas experiências clínicas e científicas com os internautas e espectadores. Conheça os convidados:

– Dr. Marcelo Allevato: Médico Psiquiatra (ABP/CFM), Mestre em Psiquiatria (IPUB/UFRJ), Membro Titular da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), International Fellow of the American Psychiatric Association (APA), Corresponding Member of the European College of Neuropsychopharmacology (ECNP).

– Dr. Marcos Alexandre Gebara Muraro: Médico Psiquiatra Clínico e Forense, Psicanalista. Título de Especialista pela Associação Brasileira de Psiquiatria e Associação Médica Brasileira em Psiquiatria Clínica, Psiquiatria Forense e Psicoterapia. Diretor Adjunto Regional Sudeste da Associação Brasileira de Psiquiatria. Membro Efetivo da Câmara Técnica de Psiquiatria do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro.

Envie sua pergunta pelo Linha Direta do Portal da Psiquiatria ou pelos comentários das transmissões ao vivo no Facebook da ABP e também no Canal do ABP TV no Youtube. Não perca o programa “O que as neurociências podem fazer pela psiquiatria?”

Comentários estão fechados.