ABP TV discute escala de avaliação da esquizofrenia no Brasil

A esquizofrenia é um transtorno mental grave e atinge cerca de 0,6% da população mundial. No Brasil, este número representa aproximadamente 42 milhões de habitantes com este transtorno, que se caracteriza pela heterogeneidade do quadro clínico.

Essa diversidade de apresentações de seu quadro clínico faz com que os estudos da esquizofrenia sejam subdivididos em cinco dimensões psicopatológicas, de acordo com artigo publicado na Revista Debates em Psiquiatria – RDP (clique aqui e leia o artigo). Tendo em vista todos estes aspectos, as escalas de avaliação clínica na esquizofrenia são um importante instrumento na prática psiquiátrica, especialmente no âmbito da pesquisa.

Para falar sobre o assunto, o programa ABP TV da próxima segunda-feira recebe os psiquiatras Ary Gadelha e Cristiano Noto. Os convidados do dia 14 de maio responderão a perguntas dos internautas com base em sua experiência clínica e científica, abordando o diagnóstico e avaliação da esquizofrenia de acordo com tais escalas.

Participe enviando sua pergunta por meio do Linha Direta, disponível no site da ABP, ou enviando seu comentário nas transmissões ao vivo pela página da ABP no Facebook ou pelo canal do ABP TV, no Youtube. O ABP TV é transmitido em todas as segundas-feiras, ao vivo, às 21h.

Conheça abaixo os participantes do próximo programa:

Dr. Ary Gadelha: médico psiquiatra, Doutor em Ciências Médicas pela UNICAMP, Professor Adjunto Livre-Docente do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), Professor Visitante, Neuroimaging Laboratory, University of Pittsburgh, USA, Pós Doutorado no Laboratório de Neuroquímica Cerebral e também no Laboratório de Neuroimagem, University of Pittsburgh.

Dr. Cristiano Noto: médico psiquiatra, Mestre e Doutor em Psiquiatria e Psicologia Médica pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, fundador e coordenador do Ambulatório de Primeiro Episódio Psicótico da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo (FMSCSP) e pesquisador do Programa de Esquizofrenia (PROESQ) do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP.

Comentários estão fechados.